JANELAS – Por Mario Romano Magionni

Alguém da imprensa me perguntou se eu tinha, para uma reportagem, um caso de adoção diferente.

Não respondi de pronto, porque, às vezes, ficamos sem palavras.

Todas as folhas caem diferentes umas das outras. Basta um olhar bobo e um sorriso para encerrar toda a timidez e espanto daqueles que têm rumo. O rumo, como me falou Manoel de Barros, é construir uma casa com janelas de aurora e árvores no quintal – árvores que na primavera fiquem cobertas de flores e ao crepúsculo fiquem cinzentas como a roupa dos pescadores …

A simplicidade é de arrepiar. Cada adoção é completamente diferente: Fabrício, Helena, Júlia, Ana, Carlos, Fernanda, Enzo, Andressa, Vítor, Karol, André, Artur, Taiane … A singularidade de cada um deve ser o espanto.

Precisa descobrir o encantamento. Liguei para o casal habilitado para adoção e comuniquei que havia, no cadastro, uma criança apta para ser adotada. A mulher atendeu e, de pronto, emudeceu. Muitos emudecem ao receber a melhor notícia dos últimos dias, mas cada mudez é diferente e singular. Todo o espanto das crianças se encerra em cada singularidade de quem ouve a notícia. Nenhum espanto é igual ao outro. Nenhuma adoção se equipara.

No dia seguinte, o casal me trouxe a foto da criança. Percebi que eles passaram a noite dando à luz aquela foto. Os olhos e os cabelos negros recém-chegados roubaram os melhores minutos daquela noite. A foto se fez bebê recém-nascido. Que relevância tem a idade para aqueles que carregam consigo os filhos? Os primeiros passos podem ser cambaleantes ou firmes, serão os primeiros passos. Talvez a criança custe a dizer as primeiras palavras, mas quando elas vierem será como um mar de folhas caindo no outono. Além de uma bolsa para as fotos, os pais precisarão de uma mala de palavras. E, se não vierem as palavras, que seja bem-vindo o silêncio!

Tomara, sim, que a casa destes que vieram a mim tenha janelas de aurora e árvores no quintal – e que as árvores na primavera fiquem cobertas de flores …

Dr. Mario Romano Magionni, é juiz da Vara infância e Juventude da Comarca de Farroupilha/RS

Texto publicado originalmente na pagina do Facebook autor

Grupo de Apoio à Adoção do Mimimi – Por Angélica Amarante Dos Anjos

Atenção! O texto abaixo nos remete a uma reflexão sobre posturas dos adotantes nos dias atuais, e grupo citado é fictício. 

Boa notícia : Finalmente, será criado o Grupo de Apoio aos Adotantes!

Pessoal, estamos aqui cheios de novidades. Só novidades boas ! A primeira e mais importante é que criaremos o Grupo de Apoio aos Adotantes!

Você que está cansado de ouvir críticas e julgamentos pela escolha de um perfil limitado será acolhido aqui ! Todos os participantes lhe darão apoio. Afinal, todos estarão no mesmo barco, então vamos remar juntos ! Afinal, o que os outros têm que ficar falando que bebê saudável até 6 meses de idade, sem irmãos, de preferência branco e menina, é difícil e demorado? Ninguém tem sonhos, não? Aqui você poderá sonhar livremente.

Você que está passando pelo duro crivo das documentações, entrevistas e cursos, poderá expressar a sua indignação pelo Sistema Judiciário, que está fora de moda. Afinal, para se gerar um filho não precisa de curso, né? Para que fazer curso para adotar ? Você poderá dizer tranquilamente que o sistema demora demais para encontrar o filho que você tanto deseja. Com certeza, os participantes do grupo vão lhe dispensar a empatia que você precisa e merece! Vão entender a dor que vai em sua alma com a demora absurda, e pegar você no colo. É isso que o adotante precisa – empatia e alguém que lhe dê carinho, que estão faltando nos demais grupos e muitos não conseguem entender. Outro dia uma pessoa bastante responsável afirmou que com esta demora ele iria desistir de entrar com a papelada, que estava dando trabalho tudo isto, e , sim, recebeu a solidariedade dos participantes, mas alguns ousaram lhe dizer que seria melhor desistir se ele estava vendo dificuldades nesta etapa, pois as seguintes seriam ainda mais difícieis e trabalhosas. Ora essa, é isso que um adotante precisa escutar? Adotante precisa de apoio, e se isto os grupos tradicionais não conseguem fornecer, então vamos fazer um grupo específico onde realmente isto acontece!

Neste novo grupo que será criado pode-se calçar as sandálias uns dos outros. Só quem está lutando para receber o seu tão sonhado filho sabe das durezas do caminho! E o que não dizer dos que passam anos e anos em tratamentos invasivos, que provocam dores no corpo, na alma e no bolso! Aqui neste grupo os adotantes podem desfiar seus problemas que receberão em troca muito apoio. Vai escutar que para estes o tempo de espera deve ser ainda menor, pois sofreram muito. É isso o que os adotantes deste grupo precisam. Nada de críticas e julgamentos. Os julgamentos machucam muito, e todos do grupo já sofreram demais !

Aqui também reuniremos informações que realmente são importantes, como por exemplo, notícias de grávidas que querem doar os seus bebês, advogados que conhecem o caminho das pedras das brechas da lei que talvez possibilitem uma adoção mais rápida . Maneiras de dar um jeitinho e todos se saírem bem (se ninguém abrir a boca! Contamos com a cumplicidade de todos os membros).

Há também um problema que todos poderão falar livremente. Sobre a escolha da cor de pele. É importante poder se manifestar sobre os desejos. Como é que vamos explicar que um filho tem a cor diferente dos pais? Vai ficar evidente que veio pela adoção! Que não fomos capazes de gerar !

Outra coisa: se o filho que chegou começar a dar muito problema, e a gente chegar à conclusão que não adotamos para passar por isto, podemos cogitar livremente sobre a devolução. Ninguém sabe o que se passa dentro da nossa casa ! Então, contamos com a empatia de todos para devolvermos a criança que pegamos para criar. Sem críticas, por favor!

Era isso que faltava no mundo da adoção. Um grupo realmente voltado para os adotantes. O Grupo de Apoio aos Adotantes do Mimimi.

A outra boa notícia é a seguinte : todos os demais Grupos de Apoio à Adoção poderão fazer seu trabalho em paz: orientando, esclarecendo, sugerindo caminhos e soluções, contribindo com a sua experiência, falando sobre a adoção dentro das leis. Visando o bem estar da Criança ou Adolescente, entendendo que é ele o centro da história. Então poderemos trocar receitas de sucesso e fotos dos filhos sorrindo, superando suas limitações iniciais. Transpondo suas histórias de tristezas para um presente e um futuro cheios de esperanças e alegrias. Teremos a oportunidade de sermos pessoas melhores. Poderemos fazer mais amizades nesta estrada cheia de amor, carinho, força e Luz. Sim, estaremos com os nossos filhos, as crianças reais que existem, mesmo que demore um pouquinho para a gente se encontrar.

Você precisará apenas decidir em que grupo deseja estar. Qual será o seu ?

Angélica Amarante Dos Anjos é Administradora da Página Anjos da Guarda Serviços de Apoio a Adoção

Fonte: (2) apoio adoção do mimimi – Pesquisa do Facebook

SEMPRE CABE MAIS UM – Por Mario Maggioni

No primeiro dia dos pais do Diogo Antonio, a Karen postou, no seu muro no facebook, uma foto. São três meninos, de costas, pendurados numa porteira de madeira – daquelas presas nas laterais e que se abrem ao meio para dar passagem a bois, vacas, homens, veículos e outros seres que passam. Os três olham para o fundo da foto, para o horizonte azul do céu infinito. Da porteira ao infinito, uma pequena estrada de chão se perde entre os eucaliptos. No plano inicial, aparece o Diogo, também de costas, de olho nos três pequenos escaladores de porteiras.

A Karen não aparece. Vejo-a fotógrafa, tentando capturar a essência.
A Karen escreveu: “a imagem fala tudo e muito mais!!!!”
Imagino os três pequenos, a galope, no seu cavalo, peito nu, cabelo ao vento, na bruma leve das paixões que vêm de dentro. A campanha de adoção de difícil colocação do Poder Judiciário do RS diz “Sempre cabe mais um!” É um encantamento ver o sol quarando as roupas multiplicadas no varal. Sempre cabe mais um para brincar quando o quintal é o coração. Agora o casal tem três meninos dentro. Isso é lindo.
Eu amo anunciações, venham elas de onde vier. São sinais que falam tudo e muito mais.
A voz do anjo sussurrou no ouvido da Karen e do Diogo que os três viriam numa manhã de domingo. Deixa o amor te surpreender!
Eu não duvido, já escuto os teus sinais. Escuto o ranger da porteira. Escuto o ir e vir da vida. Escuto os galhos dos eucaliptos cantando para os pássaros, a grama crescendo para os caramujos. Escuto o anúncio dos sinos das catedrais.
Tu vens, tu vens! – Canta o Alceu Valença.
Adotar é uma anunciação. Ter um filho (ou três filhos) é uma anunciação, mas não bastam as anunciações. A vida é a porteira que se abre ao infinito. É preciso cuidar dos filhos. É preciso brincar. É preciso ouvir. É preciso ensinar, rezar, agradecer, abraçar, beijar, … É preciso ser útero. É preciso ser pai e mãe. Sempre cabe mais um! Sobre a porteira se deitou uma adoção múltipla. Isso é tudo e muito mais.
Juiz Mario Romano Maggioni
Postado originalmente na página no Facebook do autor.
error

Gostou?Então compartilhe :)