O Apadrinhamento Afetivo é um programa para crianças e adolescentes acolhidos institucionalmente, visando o desenvolvimento de estratégias e ações para criar e estimular a manutenção de vínculos afetivos entre eles e os voluntários, ampliando, assim, as oportunidades de convivência familiar e comunitária dos mesmos. Este projeto segue o modelo sugerido pelo Tribunal de justiça do Rio Grande do Sul e (TJ/RS) e aplica metodologia inspirada na instituída pelo Projeto Aconchego – Apoio à Convivência Familiar e Comunitária em 2002, em parceria com instituições de acolhimento e a Vara da Infância e Juventude do DF e a participação da sociedade civil. Colabora, também, uma equipe técnica formada por psicólogos e psicopedagogos voluntários que atuam na formação e acompanhamento dos padrinhos / madrinhas neste processo. objetivo é promover a Garantia dos Direitos de crianças e adolescentes, em situação de acolhimento no município de Gravataí, à convivência familiar e comunitária, conforme o que prevê o art. 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

PUBLICO ALVO:

Crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional que apresentem poucas expectativas de adoção ou reintegração com a família de origem.

Pré-requisitos para os papéis de padrinhos e madrinhas:

 Pessoas com a idade mínima de 21 anos e que não sejam sujeitos de nenhuma demanda judicial.

 Residentes em comunidades próximas aos serviços de acolhimento.

Apresentação de documentação solicitada : cópias do RG, CPF, certidão de antecedentes criminais e comprovante de residência, entre outros que a e coordenação achar necessários.

 Participação nos encontros de formação e sensibilização.

 Participação nos encontros de acompanhamento.

Não é permitido participação de postulantes a adoção.


Responsáveis pelo Projeto:

Elizângela dos Santos Romeiro Mãe por adoção e uma das fundadoras da Elo. Graduada em Pedagogia, pós-graduada em Gestão da Educação possui experiência de mais de 10 anos em educação infantil, além de ter trabalhado como administradora de escola, como Pedagoga na criação da rotina escolar de pais em escola infantil e atualmente é responsável pela gestão de biblioteca escolar e atua em projetos com jovens de 10 a 16 anos, além de compor a equipe técnica da Elo no projeto Apadrinhar Canoas.

Peterson Rodrigues dos Santos é o idealizador e um dos fundadores da Elo – Organização de Apoio á Adoção estando a frente da Instituição na função de Presidente desde sua fundação em 2015, sendo responsável por suas ações e implantação de projetos nas seis cidades onde a Elo atua. Graduando em Serviço Social, pai por adoção, já foi padrinho afetivo, e assim adquiriu grande conhecimento sobre acolhimento e de como o preparo para o desligamento e adoção é fundamental.

Tássita Stefani Selau Medina Psicóloga, formada pela Universidade Luterana do Brasil(ULBRA). Especializanda em Abordagens da Violência contra Crianças e Adolescentes pela PUC. Experiência de 2 anos na Prefeitura de Gravataí na Assistência Social (Serviço de Acolhimento Institucional) e Saúde Mental. Atualmente trabalha na REDIPASC como Psicologa Social no Serviço de Acolhimento Institucional em Canoas/RS e participou de todo processo de implementação do Apadrinhar Canoas.